sexta-feira, 21 de junho de 2019

Google investirá US$ 1 bilhão na construção de casas em São Francisco


O CEO do Google, Sundar Pichai, anunciou nessa terça-feira (18) no blog da companhia que nos próximos 10 anos serão redirecionados o equivalente a US$ 1 bilhão para a construção de residências nos arredores do Google. Antes dessa decisão esses terrenos seriam dedicados para a construção de escritórios e ambientes comerciais.

Pichai acredita que com esse investimento será possível construir 15 mil novas casas para todos os níveis de renda na área da Baía de São Francisco, incluindo opções de moradia para famílias de renda média e baixa. No ano passado o Google construiu 3 mil casas ao sul da cidade. "Esperamos que isso desempenhe um papel na abordagem da escassez crônica de opções de moradia a preços acessíveis para residentes de longa e média renda", disse o CEO.

Além da construção de moradias populares, o Google promete oferecer US$ 50 milhões para organizações sem fins lucrativos voltadas para as questões de falta de moradia e deslocamento meio do Google.org. "Isso se baseia nos US$ 18 milhões em subsídios que concedemos para ajudar a lidar com a falta de moradia nos últimos cinco anos, incluindo 3 milhões de dólares que demos ao recém-inaugurado Centro de Navegação SF e US$ 1,5 milhão para casas a preços acessíveis para veteranos e famílias de baixa renda em Mountain View", complementou Pichai.

"A construção de moradias seja iniciada imediatamente e que as residências devem estar disponíveis nos próximos anos", disse Pichai que quer que as casas serão construídas de maneira rápida e econômica. A empresa já deu início no andamento do projeto e chegou a contatar algumas construtoras para estudar o caso.

O principal objetivo do projeto é solucionar parte do problema de moradia de São Francisco que é considerada uma das cidades mais caras para se morar devido a presença de gigantes empresas de tecnologia na região.

Confira se você já teve dados pessoais vazados na internet


Todo mundo já teve medo de que seus dados online fossem vazados. Mesmo com a sanção da Lei Brasileira de Proteção de Dados, que só começará a valer em 2020, é muito difícil ter certeza de que o email que inserimos neste ou naquele site não será compartilhado com outras centenas de contas.

Pensando nisso, a Mozilla desenvolveu uma ferramenta que permite ao usuário descobrir se já teve seu endereço eletrônico exibido indevidamente e dá pistas de como se precaver. Toda vez que um portal tem dados vazados, o Firefox Monitor é acionado para atualizar as informações. Mas há uma notícia boa: não é preciso usar o Firefox para acessar o serviço.

Descubra se seus dados foram vazados

1. Acesse o site do Firefox Monitor e insira seu endereço de email no campo disponível;



2. Os resultados de possíveis vazamentos são apresentados e pode-se identificar em quais sites seus dados foram acessados. Para saber mais, basta clicar em "Mais sobre este vazamento";




3. Na sequência, você encontra mais informações sobre quais dados foram hackeados e em qual data;




Se você realmente teve informações vazadas, o Firefox Monitor dá algumas dicas de como proceder. A principal orientação, porém, é: crie uma nova senha diferente e única no site invadido e não reutilize senhas entre sites.

GPS super potente da Nasa vai à orbita ainda neste mês


A Nasa espera lançar no dia 24 de junho o que chamou de Relógio Atômico do Espaço Profundo (Deep Space Atomic Clock). O aparelho é do tamanho de uma torradeira e funciona como um GPS super potente e vai para o espaço ficar em órbita junto com outros aparelhos militares do governo americano.

Foram duas décadas de estudo e desenvolvimento do Relógio Atômico que chegará ao espaço com a ajuda de um foguete Falcon Heavy da SpaceX. Os cientistas do Jet Propulsion Laboratory (NASA-JPL) garantem que a invenção é 50 vezes mais eficiente que um GPS normal e só desliga uma vez a cada 10 milhões de anos, por um segundo. No momento, as espaçonaves contam com um sistema bidirecional que recebe e envia sinais para relógios atômicos na Terra para descobrir onde está e para onde deve ir.

Esse processo pode levar de minutos a horas, tudo depende da distância entre a espaçonave e o planeta Terra. Por esse motivo que a Nasa investiu por mais de duas décadas no Relógio Atômico que permitirá que astronautas saibam onde estão e mudem os cursos rapidamente, além de facilitar na locomoção de naves autônomas. O equipamento foi projetado para calcular sua localização e rota usando apenas sinais que recebe da Terra, nesse caso a vantagem é que ele não precisa devolver os sinais.

Essa tecnologia pode ser usada para mapear outros planetas como Marte, além de melhorar a qualidade dos GPS usados na Terra. Nesse primeiro momento o relógio que vai é um teste que ficará no espaço por um ano para estudos de órbita, se tudo ocorrer bem, será usado em missões já em 2030. A Nasa vai fazer uma livestream junto com a SpaceX do GPS saindo da terra no dia 24 de junho.