sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Para Ciro Gomes, reindustrialização no estado de SP retomará o crescimento econômico do Brasil

Para Ciro Gomes, reindustrialização no estado de SP retomará o crescimento econômico do Brasil
via CSB

Sob o argumento de que “São Paulo é o centro da saída da crise do País”, Ciro Gomes abriu, nesta terça-feira (24), os debates do último Congresso Estadual da CSB, em 2017, na capital paulista. A um público de cerca de 400 dirigentes sindicais, o ex-ministro da Fazenda mais uma vez afirmou que a reindustrialização é o principal motor do Brasil em direção à retomada do crescimento econômico e da confiança das instituições políticas.

De acordo com Ciro, este novo projeto nacional desenvolvimentista está baseado em quatro pontos: na elevação do nível de formação de capital nacional; em uma reforma tributária; no fortalecimento da indústria brasileira, principalmente em São Paulo, e em investimentos nos complexos industriais da saúde e da defesa. O ex-governador do Ceará listou as soluções após traçar uma linha do tempo dos sucessivos erros cometidos pelo atual e ex-presidentes da República.

Clique aqui para saber o que levou o Brasil à atual crise segundo Ciro Gomes.

“Está claro que o Brasil não irá crescer com capital estrangeiro e sem um sistema tributário progressivo. Precisamos tributar os lucros e dividendos e as heranças. Somos tão violentamente desiguais que apenas seis brasileiros possuem a fortuna equivalente a 6 milhões dos cidadãos mais pobres. Para além disso, São Paulo deve se reindustrailizar porque a maior desindustrialização aconteceu aqui, a sede do rentismo, do capital financeiro, é aqui. Esse é o pacote que temos toda condição de superar com um sindicalismo forte e atuante, comprometido com o povo”, acredita o político, que reforçou a importância dos sindicatos para a atual conjuntura político-econômica.

Ainda segundo Ciro, “a luta de um sindicalista hoje é uma luta absolutamente hostil”, mas indispensável à defesa democrática dos direitos dos trabalhadores, à união do Brasil e à capacidade de o País desatolar do crescimento pífio de 1% ao ano de sua economia para os 12,5%, já provados possíveis pela China.

“Tenho observado a vida nacional ao longo de 38 anos. E não é possível que o Brasil seja dividido entre ‘coxinhas’ e ‘mortadelas’. O Brasil não cabe nessas definições. É preciso reunir pensares e olhares diferentes para podermos encontrar, por meio de um esforço coletivo, uma saída ao Brasil. E uma das ferramentas para tal realização é o sindicato. É por isso que a CSB é a central que mais cresce no País, porque ela percebeu essa realidade há cinco anos, restaurando o caminho de transmissão, o diálogo, entre o povo e as instituições. Ela faz com que os sindicatos sejam a expressão dos trabalhadores junto ao poder”, destaca Ciro Gomes.

Atualmente, a CSB possui 790 sindicatos, 29 federações e 2 confederações em sua base.

Sindicatos fortes, Brasil mais justo

Durante a abertura do Congresso em São Paulo, Antonio Neto também destacou a necessidade de fortalecer as representações sindicais em prol da classe trabalhadora. O presidente da CSB analisou o momento político, econômico e social do País e preocupou-se com a crise ética e moral que assola os brasileiros.

“Passamos por uma reforma na legislação trabalhista. Ainda não sabemos todos os efeitos, mas uma coisa é certa – nunca antes nesse Brasil os trabalhadores precisaram tanto dos seus sindicatos como vão precisar a partir de 11 de novembro. Tentaram fazer uma reforma para destruir os direitos da classe operária. A partir de agora nossa missão é encontrar um antídoto e fortalecer os sindicatos, que é a célula mater do movimento sindical”, defendeu o dirigente.

Para Antonio Neto, a resposta aos ataques do Congresso Nacional contra os trabalhadores deverá vir nas urnas em 2018. “A verdade é que o voto tem um valor incomensurável. Temos um compromisso, que é eleger representantes comprometidos com os trabalhadores. Nesses três dias de formação teremos um aprendizado muito grande para o enfrentamento. Por isso esse congresso é importante”, completou.

Representatividade

Modificar o cenário nacional e expandir a representatividade da classe trabalhadora no Congresso Nacional, na Assembléia Legislativa e no Senado Federal é imprescindível segundo o vice-presidente da CSB, José Avelino Pereira (Chinelo).

“O Brasil precisa mudar. Precisamos ter a representação necessária para votar as propostas dos trabalhadores. E não existe transformação que não seja feita através do voto popular”, reafirmou o coordenador da CSB/SP.

Em defesa da democracia, Alvaro Egea, secretário-geral da CSB, reforçou a importância da independência, do desenvolvimento e justiça social, bandeiras defendidas veemente pela Central.

“Não podemos aceitar nenhum tipo de política que visa enfraquecer o nosso sistema democrático, porque os principais atingidos seremos nós, os trabalhadores. Esse encontro é um momento crucial, onde a gente aprofunda o nosso conhecimento e deixa muito claro que para que a luta dos trabalhadores tenha futuro temos que propagar o diálogo e impedir a desmoralização da representação política e sindical”, finalizou.

Também estiveram presentes, na abertura do Congresso Estadual da CSB, o vereador da cidade de São Paulo Adilson Amadeu (PTB/SP), o deputado estadual Caio França (PSB/SP) e o vereador Rivael de Souza (PSB-SP), o Papinha.

Força nacional

O Congresso da CSB em São Paulo encerra uma série de eventos promovidos ao longo do ano. Desde abril, a Central preparou seus dirigentes, promoveu debates importantes e elegeu diretorias regionais para ampliar a luta dos trabalhadores pelo País. Foram realizados congressos em Santa Catarina, Ceará, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais e Rio Grande do Sul.

Homenagem

Um momento simbólico marcou a cerimônia de abertura do Congresso em São Paulo. Em agradecimento ao ex-ministro da Fazenda pelos serviços prestados ao Brasil, Antonio Neto entregou a Ciro Gomes um busto de Getúlio Vargas.

Nas palavras do presidente da CSB, o gesto “é uma lembrança para que você se inspire ainda mais. As teses do alicerce da nação brasileira estão com Getúlio. Que isso te inspire nessa caminhada”, desejou Neto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário