quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Nova legislação trabalhista vai exigir dos sindicatos mais atenção nas negociações

Nova legislação trabalhista vai exigir dos sindicatos mais atenção nas negociações
via CSB

Com a entrada em vigor da Lei da Reforma Trabalhista, os sindicatos no Brasil, que sempre foram atuantes, terão que propagar mais as suas ações para que os trabalhadores tenham conhecimento de que as conquistas da Convenção Coletiva não são doações feitas pelos patrões, mas resultado de luta e persistência dos representantes das categorias. A afirmação foi feita pelo presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antônio Neto, em entrevista ao site da FENEPOSPETRO. Segundo ele, muitos trabalhadores acreditam, erroneamente, que as empresas concedem por livre e espontânea vontade o vale-alimentação, a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e outras conquistas que não fazem parte da legislação trabalhista. Antônio Neto alerta, que a partir de agora, os sindicatos terão que ter um cuidado maior com as cláusulas da Convenção Coletiva, para definir, efetivamente, o que é primordial na relação capital e trabalho.

Ele acredita que a lei da Reforma Trabalhista vai fortalecer e valorizar a negociação coletiva e fazer com que sindicatos e trabalhadores se unam para garantir e conquistar mais direitos. Antônio Neto   diz que os sindicatos passarão a ser os protagonistas e precisarão criar um instrumento de defesa para preservar e não permitir que a Convenção Coletiva se torne um descalabro. “Essa é a grande virada do movimento sindical. Eu acredito num salto de qualidade nas relações dos sindicatos dos trabalhadores com os dos patronais. O empoderamento dos sindicatos vai fortalecer a relação capital e trabalho”, concluiu.

O presidente da CSB destaca também, que os sindicatos não podem permitir que a Lei da Terceirização seja introduzida nas empresas como fator de precarização e da substituição da mão de obra por novos contratos que deixam os trabalhadores totalmente desamparados. Para Neto é importante introduzir nas Convenções Coletivas que as terceirizações, na atividade-meio, sejam exercidas por empresas do mesmo setor, para que os direitos da categoria sejam respeitados.

Na opinião de Neto, a boa negociação é a que atende aos dois lados, tanto dos empregados quanto os patrões: "As responsabilidades dos sindicatos aumentam com a nova legislação trabalhista. Não podemos perder direitos. Se não houver acordo na negociação vai valer o que consta na Consolidação da Leis do Trabalho (CLT). Não se pode retroceder nas conquistas. A relação capital e trabalho nunca foi fácil, mas também nunca será difícil e impossível."

ECONOMIA

O presidente da CSB diz que o governo precisa investir em projetos de infraestrutura para retomar o crescimento da economia e tirar o país do atoleiro. Neto defende uma redução maior nas taxas de juros, para que esse movimento reflita no crédito ao consumidor. Ele afirma que o governo precisa financiar as pequenas e médias empresas, que são as grandes geradoras de emprego, para alavancar a produção do país, que hoje está estagnada. “Com novas vagas no mercado de trabalho conseguiremos fazer a roda da economia girar. Ao gerar empregos vende-se mais produtos, com isso a fábrica precisa produzir mais e contratar mais, assim retomaremos o desenvolvimento econômico”, finalizou.

PROJETOS SOCIAIS

Para Neto os investimentos em projetos sociais são importantes para aquecer a economia. Tudo que for colocado à disposição para o consumo, quer seja ele a fundo perdido, seja através de empréstimos faz com que a economia gire.

FRENTISTAS

Antônio Neto elogiou o trabalho desenvolvido pela Federação Nacional dos Frentistas e pelos sindicatos da categoria em defesa dos direitos dos trabalhadores de postos de combustíveis e lojas de conveniência. “Os representantes dos frentistas avançaram na questão da saúde. Hoje tem legislação que proíbe o abastecimento do combustível além da trava do automático de segurança. Os trabalhadores de postos precisam valorizar essa e outras conquistas dos sindicatos como: a periculosidade, a lavagem do uniforme e todas as normas que garantem mais segurança e saúde no ambiente laboral. Os dirigentes dos frentistas sempre foram grandes pontas de lança nas reivindicações e conquistas dos trabalhadores”, concluiu.

LUTA 2018

O presidente da CSB diz que é chegada a hora dos trabalhadores ocuparem o seu espaço dentro do Congresso Nacional, nas Assembleias Legislativas e nas Câmaras Municipais, para fazer valer os seus direitos. Ele diz que a classe operária precisa de pessoas na política que defendam efetivamente o trabalhador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário